Veja o que mudou na Residência de Cirurgia Geral
residência_cirurgia_interna

17/09/2018 - A especialização em Cirurgia se dividirá em duas a partir de 2019. Conheça as mudanças, como vai funcionar e onde fazer residência em cirurgia geral.

 
 

Entrará em vigor, a partir de 2019, as mudanças na especialização em Cirurgia Geral. A área foi dividida em duas: Área Cirúrgica Básica (2 anos) e Programa de Cirurgia Geral (3 anos). Essa alteração vem sendo discutida desde 2000 e foi um pedido inicial do Colégio Brasileiro de Cirurgiões (CBC). Segundo o MEC, o tempo de RM vai aumentar por conta da complexidade da área. As mudanças só atingem os editais para 2019. Quem já está fazendo, seguirá o cronograma do programa atual. 

 
Com a medida, quem quer fazer a especialidade como pré-requisito para outras áreas cirúrgicas, deverá fazer RM em Área Cirúrgica Básica (2 anos). Já quem quer se tornar especialista em cirurgia geral, fará o Programa de Cirurgia Geral (3 anos). Os que fizerem a de 2 anos ganharão um certificado de competência, mas não serão considerados especialistas - apenas quando terminar a sub-especialidade.
 
Um detalhe importante é que - quem fizer o programa de 3 anos - também pode seguir para uma outra especialidade cirúrgica.
 
O Brasil era o único país que exigia 2 anos de formação na área. Essa mudança segue a tendência de outros países em todo o mundo, mas ainda sim poucos programas são de 3 anos. Na Europa, por exemplo, o tempo de residência dura no mínimo 4 anos.
 
Pediatria e Neurologia também sofreram algumas alterações. Confira na matéria!
 
 
MUDANÇAS NA INSCRIÇÃO
A inscrição deve ser específica e os editais terão que definir quantas vagas serão abertas para cada programa. Para isso, as instituições vão se auto-avaliar para saber quais as condições que elas têm de receber as duas residências. Vale ressaltar que haverá bolsas para os dois programas e a prova de acesso pode ser a mesma para as duas áreas.
 
Outra informação importante é: quem escolheu fazer a residência de 3 anos, PODE fazer prova para outra especialidade cirúrgica ao término do 2º ano. Com isso, se você estiver com dúvida ou descobrir uma paixão por outra área durante a residência, pode mudar!
 
Agora, se você escolheu fazer a residência de pré-requisito e quiser fazer mais um ano para se tornar especialista, poderá fazer uma prova para continuar - isso se houver vagas disponíveis.
 

Quem optar por 2 anos ganhará uma certificação como cumprimento de área cirúrgica básica e, por lei, poderá fazer, sem supervisão, os procedimentos contidos na respectivas competências para dois anos!  Acesse a matriz de competências das Residências em Cirurgia. Para saber quais hospitais estão ofertando vagas para os programas novos, acesse este link. 

 
 
MÉDICOS NO SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO

O médico que está cumprindo o serviço militar obrigatório e que assegurou a vaga na especialidade em 2018, poderá escolher qual caminho seguir: fazer como pré-requisito ou completo. Mesmo se decidir pelo programa de pré-requisito, ganhará o título de especialista ao término da residência. Para isso, deve enviar a COREME em Janeiro sua escolha para ficar registrada. O mesmo vale para homens e mulheres que se alistaram por conta própria.  

 
 
CONCLUSÃO
Se você quer ser formar realmente como um cirurgião geral, inscreva-se no Programa de Cirurgia Geral (3 anos). Se almeja se especializar em outras áreas da cirurgia, faça o programa de Área Cirúrgica Básica (2 anos). Para ambos, você pode contar com a ajuda do MEDGRUPO.
 
 
CURTIU AS MUDANÇAS?
Comente pra gente o que você achou da medida e se acha que ela vai te beneficiar! Se ficou com alguma dúvida, fale também!

 

comaprtilhar 9 7 0 5050
CONTEÚDO EXCLUSIVO GRATUITO